TudoSobreTudo

sábado, 13 de agosto de 2016

Jogo de cena: PT tenta criar sua própria versão do impeachment

Petistas vislumbram em projeto de documentário a oportunidade de registrar para a posteridade sua versão do processo contra Dilma

Pouco antes da meia-noite da terça-feira 9, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo subiu à tribuna do plenário do Senado. Como das vezes anteriores, defendeu a volta da presidente afastada Dilma Rous­seff ao Palácio do Planalto. Falando num tom acima do habitual, rebateu as acusações contra a sua cliente e criticou a celeridade do processo de impeachment, classificado como um “golpe” contra a democracia. A tese foi repetida por senadores da tropa de choque do PT, um após o outro, ao longo das quase dezessete horas da sessão que transformou a presidente em ré por 59 votos contra 21, num resultado previsível. A veemência dos discursos, além de defender o mandato de Dilma, atendia a outro propósito: a construção de uma narrativa.
Se nada mudar até o próximo dia 25, data marcada para o início do julgamento, a cassação de Dilma deve ser confirmada por ampla maioria dos senadores. O PT reconhece que não há muito que fazer. A presidente afastada, que aguarda o desfecho do processo praticamente reclusa no Palácio da Alvorada, também tem clareza de que seu destino está traçado. Até o ex-presi­dente Lula, mentor, criador e oficialmente o maior defensor de Dilma, já jogou a toalha faz tempo.
Mas a história, do ponto de vista do PT, não deve terminar com um tom melancólico e derrotista. Como ocorre desde a votação do impeachment na Câmara, na sessão da semana passada os passos de cada petista no Congresso foram acompanhados de perto por uma equipe de filmagem que se dedica a produzir um documentário sobre os bastidores do processo. Cientes de que eram os personagens principais do dia, os parlamentares contrários à cassação se esmeraram nos microfones e nas performances. Eles estavam sob as lentes de um projeto intitulado “Impeachment”, conduzido pela cineasta Petra Costa, da produtora Busca Vida Filmes e diretora do premiado documentário Elena, em que retrata a morte precoce de sua irmã.
Desde 13 de março, quando ocorreu a maior manifestação política da história do Brasil, Petra contabiliza cerca de 500 horas de gravação com mais de cinquenta parlamentares, de diferentes partidos, além de manifestantes e líderes de movimentos contra e a favor do impeachment. “A ideia é que o filme mostre as diversas etapas dessa crise, seus aspectos shakespearianos, maquiavélicos e épicos”, diz a cineasta. Entre os principais entrevistados está a presidente afastada, que relata, em sua perspectiva, o drama de quem foi apeado do poder. “Gostaríamos também de filmar Temer. Já entramos em contato com a assessoria algumas vezes, mas não obtivemos resposta”, afirma Petra, que ganhou apoio financeiro do Festival de Veneza.
Os petistas vislumbraram na produção a oportunidade de registrar para a posteridade o resultado de uma conspiração, de um golpe. Nesse contexto, Lula emerge como um dos principais personagens da história, que deverá ser exibida no Brasil e no exterior em 2017. Nos últimos meses, o ex-presi­dente tem montado uma agenda pensada com o objetivo de produzir imagens que se encaixam no enredo. VEJA acompanhou os bastidores das gravações realizadas em julho no Recife e no interior de Pernambuco. Ali, tudo parecia uma encenação. Enquanto criticava o presidente interino Michel Temer e o juiz Sergio Moro, Lula olhava para as câmeras, gesticulava, abraçava crianças, acariciava trabalhadores. Durante uma visita a um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), um drone filmava o ex-presidente caminhando no meio de uma plantação. Num dado momento em que o aparelho se aproxima, ele ergue para o céu um punhado de mandiocas que haviam sido colhidas e faz uma breve saudação, sorrindo para a câmera.
Na tentativa de criarem sua versão da história, naturalmente suavizando os próprios pecados, deputados do partido também recorreram à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA), contra o processo de impeachment de Dilma. Antes disso, o próprio Lula havia protocolado uma representação na Organização das Nações Unidas (ONU) contra o juiz Sergio Moro, apresentando-se como vítima de perseguição da Justiça. As chances de que tais iniciativas tenham sucesso jurídico são praticamente nulas, mas o movimento saiu nos jornais e sites de mais de oitenta países, o que ajuda na construção da narrativa petista.
Longe das câmeras, o ex-presidente se reuniu em Brasília com líderes do partido horas depois da votação no Senado. No encontro, Lula disse que o “impeachment é jogo jogado” — ou seja, será aprovado com folga. Ele cobrou dos oito senadores e 36 deputados presentes maior engajamento nas lutas que serão travadas a partir de agora, quando o PT voltará a ser oposição, e destacou que só isso garantirá uma volta por cima em 2018. O ex-presidente tem dito que será candidato na próxima corrida presidencial. O tablado eleitoral há tempos deixou de ser a prioridade de Lula, acossado pela Operação Lava-Jato e pelo risco de ser preso por corrupção. O resto, na verdade, está mais para jogo de cena — literalmente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário