TudoSobreTudo

domingo, 2 de agosto de 2015

O último integrante da "camarilha dos quatro" é indiciado


Jorge Zelada, que comandou a diretoria Internacional da Petrobras, é indiciado pela PF por corrupção e lavagem de dinheiro

O Ex diretor da área internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada compare ao IML em Curitiba na tarde desta quinta-feira (02)
O Ex diretor da área internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada compare ao IML em Curitiba(Vagner Rosário/VEJA)
O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada foi indiciado nesta sexta-feira pela Polícia Federal pelos crimes de corrupção ativa, lavagem de capitais e evasão de divisas. Pouco antes, ele havia permanecido em silêncio durante depoimento aos investigadores em Curitiba. Zelada foi o último integrante da chamada "camarilha dos quatro" a ser preso. O quarteto de ex-diretores da Petrobras acusado de participar do desvio de pelo menos 6 bilhões de reais dos cofres da estatal é formado por Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento, Renato Duque (Serviços) e Nestor Cerveró. Todos estão presos. Costa, que fechou acordo de delação premiada, cumpre pena em regime domiciliar.
Zelada, que comandou a área internacional da companhia entre 2008 e 2012, é acusado de ter tentado esconder as propinas recebidas e, assim, dificultar o rastreamento do dinheiro desviado no petrolão. Segundo o Ministério Público, Zelada transferiu cerca de 25 milhões de reais de uma conta bancária na Suíça, nunca declarada à Receita Federal, para outra em Mônaco, a fim de impedir o bloqueio dos valores. O dinheiro está bloqueado por determinação do juiz Sergio Moro.
O relatório de indiciamento se baseia na informação de que Zelada teria recebido propinas provenientes do aluguel de navios sonda para a Petrobras, entre eles o Titanium Explorer (Vantage), em 2009. Essas contratações, segundo auditoria da estatal, foram superfaturadas e deram prejuízo milionário. Detalhes do esquema foram dados pelo lobista Hamylton Padilha, que representava as empresas desse segmento junto à companhia petrolífera. Padilha agora passa a integrar o grupo de 23 delatores da Operação Lava Jato.
O indiciamento foi informado nesta semana pela PF a advogados do ex-diretor. O relatório com as conclusões do inquérito será agora analisado pelo Ministério Público, que decidirá se o denuncia à Justiça ou se cabe o aprofundamento das apurações.
O advogado de Zelada Renato de Moraes minimizou a decisão da PF. "O indiciamento não quer dizer nada. É aquilo que o delegado acha. Já vi vários indiciados não serem denunciados e vários que não foram indiciados ser denunciados", afirmou.
(Da redação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário