TudoSobreTudo

sexta-feira, 3 de julho de 2015

MPF acusa Marcelo Odebrecht de pagar propina no exterior


Em pedido para manter prisões preventivas, procuradores da Lava Jato apontam uso de offshores por presidente da Odebrecht e ex-vice da Braskem

Marcelo Odebrecht da construtora Odebrecht é encaminhado para o IML de Curitiba (PR), na manhã deste sábado (20)
Marcelo Odebrecht é acusado pelos MPF de pagar propina no exterior(Rodolfo Burher/Reuters)
A força-tarefa da Operação Lava Jato apresentou à Justiça Federal nesta quinta-feira documentos que, segundo os procuradores da República que investigam o esquema de corrupção na Petrobras, reforçam a necessidade de manutenção da prisão preventiva do empresário Marcelo Odebrecht, presidente da maior empreiteira do país, e de Alexandrino Alencar, ex-vice-presidente institucional da Braskem - petroquímica controlada pela Odebrecht em sociedade com a estatal.
Segundo os procuradores, esses documentos indicam a existência de três empresas offshores que teriam sido usadas fora do Brasil para pagamentos de propina: Intercorp Logistic Ltda, Trident Intertrading LTD e Klienfeld Serviçes Ltda.
"[As offshores] eram empregadas por Alexandrino, este seguindo as determinações de Marcelo Odebrecht, para efetuar pagamentos nas contas indicadas por [Alberto] Youssef", registra a petição subscrita pelos procuradores da Lava Jato. "É inafastável a conclusão de que Alexandrino de Salles Ramos de Alencar e Marcelo Bahia Odebrecht devem permanecer com a liberdade cerceada, seja porque possuem plenas condições de interferir na prova, seja pelo fato de se constituírem executores direto e mediato destas medidas, portanto possuem pleno conhecimento de todas as circunstâncias que as envolvem, bem como pelo fato de que possuem amplas condições materiais e financeiras para tanto."
Na petição ao juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato, os procuradores citam, ainda, outros dois executivos da Odebrecht, Márcio Faria e Rogério Araújo. "Para alcançar seus objetivos criminosos, especialmente para realizar os pagamentos indevidos a agentes públicos corrompidos e, possivelmente, também para acobertar seus lucros, advindos ou não desses contratos obtidos de forma ilícita, resta claro, até o presente momento, que Marcelo Bahia Odebrecht, Alexandrino Alencar, Rogério Araújo e Márcio Faria valeram-se de empresas sediadas fora do território nacional, conhecidas como offshores, algumas delas em paraísos fiscais", sustenta o Ministério Público Federal.
Delator - Os dirigentes da Odebrecht foram presos na Erga Omnes - 14ª fase da Lava Jato -, deflagrada no dia 19 de junho. Uma delação premiada, de Rafael Ângulo Lopes, carregador de malas de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, levou os investigadores a essas novas empresas supostamente usadas para pagamentos de propinas. O delator informou como o Youssef entregava dados de contas e recebia os comprovantes de depósitos no exterior feitos pela Odebrecht e pela Braskem, por meio de Alencar. "Em relação a estas transferências de valores no exterior, Youssef levava número de contas situadas no exterior para Alexandrino e este último providenciava o depósito dos valores nas contas indicadas. Com certeza, era um acerto de contrato de propina e de transferências de dinheiro no exterior", afirmou Lopes. Ele entregou documentos que seriam prova desses repasses.
Foi através desses documentos que a força-tarefa passou a trilhar um dos supostos caminhos do dinheiro. "[O delator] entregou pessoalmente tais números de contas para Alexandrino, na própria Braskem. Após a transferência dos valores no exterior também ia buscar os comprovantes das transferências internacionais (swifts)."
No pedido desta quinta-feira, o Ministério Público Federal informou: "Assim, os valores eram transferidos de contas mantidas em nome de empresas offshores para as contas mantidas pelos servidores da Petrobras, entre eles Renato Duque e os colaboradores Paulo Roberto Costa e Pedro Barusco [ex-dirigentes]".
Segundo o delator, "era Alexandrino quem entregava pessoalmente estes swifts". "Em geral era a própria Braskem que fazia tais transferências internacionais, pois isto consta de alguns dos swifts", detalhou Lopes. O delator diz ter levado "pessoalmente" número de contas "no exterior para Alexandrino, que era conhecido entre eles como 'Barba'".
"Alexandrino enquanto diretor da Odebrecht, sob as ordens de seu presidente, Marcelo Odebrecht, reunia-se com Alberto Youssef e José Janene [ex-deputado mentor do esquema Lava Jato, morto em 2010] para negociar o pagamento de propina dirigida ao grupo político que se beneficiava dos contratos firmados com a Petrobras, sendo que efetuava depósitos nas contas indicadas por Youssef e informadas por Rafael Ângulo."
US$ 160 mil - Para a força-tarefa da Lava Jato, há elementos de que "as três offshores se constituem de um dos instrumentos utilizados pela Odebrecht, por meio de seus dirigentes, para fazer chegar a propina aos servidores corrompidos da Petrobras". Um dos exemplos citados no documento é o recebimento pelo ex-diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, de transferência da offshoreKlienfeld no valor de 160.000 dólares.
Para o MPF, diante dos fatos "verifica-se que há prova robusta de que os investigados Marcelo Odebrecht, Alexandrino Alencar, Rogério Araújo e Márcio Faria, sobretudo os dois primeiros, efetivamente se utilizaram de contas bancárias sediadas no exterior para realizar pagamentos a ex-empregados na Petrobras, possivelmente em várias transações comerciais que realizaram com aquela estatal, o que não só reforça a conclusão a respeito de sua participação nos fatos, como justifica ainda mais a necessidade de que permaneçam segregados."
A Construtora Norberto Odebrecht nega as acusações. A Braskem disse que não tem conhecimento de reuniões em seu escritório para pagamentos desta natureza.
(Com Estadão Conteúdo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário