TudoSobreTudo

quinta-feira, 23 de julho de 2015

As principais notícias do planeta Dilma Rousseff


Dilma caiEstou de volta, após ter de resolver um monte de coisas. Eis o resumo das notícias sobre o que Dilma Rousseff e seus comparsas fizeram com o país durante a minha ausência:
1) 240 mil postos de trabalho formais foram fechados neste ano, segundo o IBGE. O desemprego subiu para 6,9%, a maior taxa para junho em cinco anos.
2) 298 mil demissões ocorreram no setor de serviços e comércio em junho, nas seis principais regiões metropolitanas. O maior número desde 2002.
3) “A Votorantim Cimentos, que no ano passado faturou 12,9 bilhões de reais, resolveu fechar temporariamente sua fábrica de cimento em Ribeirão Preto (SP). Com a decisão, mandou embora 128 funcionários”, exemplificou a coluna Radar.
4) A inflação já supera os dois dígitos em Curitiba e no Rio de Janeiro em doze meses. Alta de preços é de 10,73% e 10,04% pelo IPCA-15, as duas maiores do país.
5) O dólar subiu ainda mais e encostou em 3,30 reais após o anúncio do governo sobre a redução da meta fiscal (que prometia não reduzir) e de um novo contingenciamento de gastos. A bolsa de valores fechou em queda de 2,18%, aos 49.806 pontos.
6) Fernando Rodrigues, no UOL: Ministro da Fazenda “Joaquim Levy e equipe cometeram barbeiragem de 58 bilhões de reais”. Este foi o valor do rombo nas previsões das contas públicas neste ano de 2015 entre “receitas a menos” e “despesas a mais”.
7) A agência Austin Rating, maior empresa nacional de classificação de risco, rebaixou a nota de crédito de longo prazo do Brasil em moeda estrangeira de “BBB-” para “BB+”. Com isso, o país perde o grau de investimento pelos parâmetros desta escala. “O rebaixamento do rating está fundamentado na acentuada e contínua piora dos resultados das contas públicas, com destaque para o baixo nível de superávit primário, que é incapaz de reduzir ou neutralizar o avanço do endividamento público”, diz a agência.
8) Relator no TCU (Tribunal de Contas da União) das contas do governo Dilma Rousseff de 2014, incluindo as chamadas “pedaladas fiscais”, o ministro Augusto Nardes foi visitar os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, Renan Calheiros e Eduardo Cunha, para “pedir urgência na votação das contas de ex-presidentes”, assim como pediu urgência para a análise dos documentos encaminhados pelo Executivo ao tribunal. A foto do alegre momento da entrega da defesa do governo pelo advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, é tão indecente quanto o que Adams disse em seguida para blindar a chefinha contra o impeachment: “São as contas governamentais. Não cabe responsabilizar Dilma”. Ou seja: Dilma é a presidente-fantasma que não responde nem sobre o seu próprio governo.
TCU
Já ouviu a da mandioca?
A propósito: O Globo descobriu que o escritório de Tiago Cedraz foi contratado por 1,58 milhão de reais(!) para defender a Itaipu Binacional junto a diferentes Cortes, entre as quais o TCU presidido pelo papai de Tiaguinho, Aroldo Cedraz. Junto com o também ministro Raimundo Carreiro, Aroldo fez pressão para que a Itaipu passasse a ser fiscalizada pelo TCU, de modo que a permanência de ambos no tribunal é, também, tão indecente quanto a foto acima.
9) A Folha revelou o conteúdo de uma mensagem de celular enviada pelo dono da UTC, Ricardo Pessoa, ao ex-diretor financeiro da empreiteira, Walmir Pinheiro, em 29 de julho de 2014, que trata da doação à campanha de Dilma:
“Estive com Edinho [Silva]. A pessoa que você tem que ligar é Manoel Araujo [hoje chefe de gabinete do petista]. Acertado 2,5 [milhões de reais, a serem pagos no] dia 5/8 (até) e 2,5 [milhões de reais] até 30/8. Ligue para ele que está esperando. O problema é bem maior. Me de resposta. Edinho já passou os dados. Abs”.
Depois dos pagamentos, Sobrinho acertou com Pessoa o repasse de outros 5 milhões para o caixa eleitoral de Dilma. Pessoa entregou metade do valor pedido e se comprometeu a pagar a parcela restante depois das eleições. Não cumpriu o prometido porque foi preso antes, como VEJA já havia revelado.
10) O Ministério Público Federal pediu a condenação do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, e do lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Eles são acusados de recebimento de propina em dois contratos de navios-sonda, sendo 15 milhões de dólares para Cerveró, que já negocia delação premiada e pode complicar ainda mais o PT e o PMDB. No mesmo pedido, o MP recomenda a condenação do executivo Julio Camargo – o mesmo que acusou Eduardo Cunha de ter pedido 5 milhões – e do doleiro Alberto Youssef, mas, como ambos celebraram acordos de delação, devem receber benefícios judiciais.
11) A coluna Painel, da Folha, informa: “Na volta do recesso, a CPI da Petrobras foi instruída a votar todos os requerimentos que estão na gaveta. As convocações dos ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva (Secom) são dadas como certas pela cúpula da comissão. Na mesma leva estão os depoimentos dos ex-ministros Antonio Palocci e José Dirceu. Na avaliação de setores do governo, será uma missão quase impossível barrar a articulação costurada para constranger o Palácio do Planalto e o PT.”
12) O TRF negou mais um pedido de habeas corpus preventivo de José Dirceu. Resta saber se ele vai preso ou ainda solto à CPI.
Já Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, e Marcelo Odebrecht pediram habeas corpus ao STJ. Resta saber se o STJ terá o mínimo de decência como o TRF.
13) As mensagens de Marcelo Odebrecht analisadas pela Polícia Federal citam os nomes de Mercadante (PT-SP) e do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli como contatos políticos da empreiteira nas negociações. Dizia Marcelo:
“Quanto a Petrobras precisamos saber quem é que decide este assunto e a estratégia para influenciá-lo. No que tange a influenciar temos vários caminhos (mais ou menos eficazes), mas precisamos ter cuidado com a reação de Estrela [Guilherme Estrela, ex-diretor da Petrobras] e equipe a esta pressão, pois uma coisa é influenciar na construção de uma solução desde o início, outra é pressão para reverter uma decisão tomada. Junto ao Estrela vejo importante a conversa de vocês (importante saber também feedback conversa Mercadante – me acionem se não conseguir obter do Luiz Elias). Posso também pedir a Mercadante um reforço. Por fim tem o próprio Gabrielli como ultima tentativa, que poderia fazer. Ele não gosta da gente (Suzano, Quattor, sondas), mas a tese é boa e talvez quem sabe?”
14) O juiz Sérgio Moro estendeu até segunda-feira o prazo dado à Odebrecht para que os advogados da construtora expliquem as anotações “perturbadoras” de Marcelo (e possam reinventar o dicionário com verbetes mirabolantes).
15) O Financial Times publicou uma reportagem com o título “Recessão e corrupção: a podridão crescente no Brasil”. O principal diário de economia e finanças da Grã-Bretanha diz, conforme resumo da BBC, que “incompetência, arrogância e corrupção quebraram a magia” do país, que poderá enfrentar “tempos mais difíceis”. O jornal cita também a investigação do Ministério Público sobre a suspeita de tráfico de influência de Lula e o rompimento de Eduardo Cunha com o governo após ter sido citado por um delator na investigação da Petrobras. “Até agora, políticos em Brasília tem preferido que Dilma siga no poder e assuma os problemas do país. Mas este cálculo pode mudar para tentarem salvar a própria pele”, diz o Financial Times.
16) Felipe Miranda, da Empiricus: A “presidente está completamente isolada. Não tem apoio popular, não encontra respaldo na base aliada e muito menos na oposição. Diante disso, só resta um caminho possível à presidente: se agarrar ao único dos lados em que ainda teria algum trânsito. Uma reconciliação com a base aliada e a guinada à esquerda” [conforme este blog disse que lhe seria a última opção]. “Voltar-se novamente aos interesses e à agenda de quem a elegeu, colocando a culpa em Levy e em sua política neoliberal.” Diz Eduardo Giannetti: “Aí, meus caros, apertem os cintos. Vamos enveredar para uma crise financeira logo no inicio do segundo mandato, porque o mercado financeiro vai perceber rapidamente que o Brasil não se sustenta. Eu realmente temo que essa possibilidade aconteça.”
17) A Nasa descobriu um planeta similar ao nosso, em potencial zona habitável. O Kepler-452b, chamado pelos cientistas de “primo distante”, é 60% maior e tem boa chance de ser rochoso. Ele demora 385 dias para dar uma volta completa ao redor de sua estrela, a Kepler-452, que está a 1.400 anos-luz de distância da Terra. Ainda não se sabe se o planeta recém-descoberto já foi aparelhado pelo PT. De qualquer modo, há lugares mais próximos para quem quiser fugir do planeta Dilma Rousseff.
Planetas
Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário