TudoSobreTudo

terça-feira, 3 de março de 2015

Projeto italiano propõe transformar cemitérios em florestas

Veja.Com

As cápsulas do projeto italiano Capsula Mundi, que visa transformar cemitérios em florestas
As cápsulas do projeto italiano Capsula Mundi, que visa transformar cemitérios em florestas
Os designers italianos Anna Citelli e Raoul Bretzel são os autores do Capsula Mundi, projeto apresentado como uma alternativa aos cemitérios tradicionais. A dupla criou uma cápsula biodegradável em forma de ovo para que ali sejam depositados restos mortais humanos. O toque final é que a cápsula será plantada no solo envolta nas raízes de uma muda de árvore, cuja espécie será selecionada por cada um ainda em vida. Depois que a pessoa se for, familiares e amigos assumirão os cuidados com a planta. Segundo os autores, o intuito é transformar cemitérios em florestas sagradas, onde cada árvore manterá viva a memória de alguém que se foi. Há alguns detalhes um tanto esquisitos, como a proposta de que o morto seja colocado dentro da cápsula em posição fetal e a expectativa de que a árvore se alimente dos corpos em decomposição. Tudo isso, somado a restrições legais e religiosas, faz com que o Capsula Mundi não passe de um protótipo. E provavelmente não passará disso, já que embute sérias questões práticas.
Em qualquer cemitério, a alta quantidade de carga biológica que penetra no subsolo contém altos índices de bactérias e vírus, o que facilmente pode se transformar em foco de transmissão de doenças e de contaminação de áreas próximas e até mesmo de lençóis freáticos. Para evitar que isso aconteça, é preciso controlar a qualidade do solo a partir de poços subterrâneos de monitoramento. Já na superfície, cemitérios tradicionais demandam serviços de zeladoria e segurança para impedir saques e depredações, além do surgimento de focos de dengue e outros problemas do tipo. O projeto Capsula Mundi não deixa claro quem arcará com a manutenção das árvores (podas, eventuais quedas, surgimento de doenças e parasitas) nem como será feito o controle ambiental. Delegar a familiares e amigos dos mortos pode parecer romântico na teoria, mas na prática garante que ao longo do tempo ninguém se responsabilize pela tarefa — além de dispendiosa, a manutenção de um cemitério é eterna.
Cemitério de San Cataldo, na Itália: arquitetura modernista a favor do formato vertical
Cemitério de San Cataldo, na Itália: arquitetura modernista a favor do formato vertical
Alternativas vêm sendo testadas com diferentes graus de sucesso por todo o mundo. Criados para estar nas bordas, os cemitérios mais antigos hoje ocupam as áreas centrais de várias cidades – não porque tenham mudado de lugar, mas porque as cidades crescem rapidamente. Tornam-se então pequenas ilhas cercadas de edificações por todos os lados, o que também os impede de ser ampliados e modernizados. E, quanto mais o tempo passa, maior o número de mortos que precisam ser acomodados. Estima-se que por ano 55 milhões de pessoas morram em todo o mundo, o equivalente a 0,8% do total ou a população da Inglaterra.
Países como Singapura, Alemanha e Bélgica oferecem jazigos gratuitos pelos primeiros vinte anos. Depois desse tempo, as famílias têm a opção de assumir uma espécie de aluguel ou então de autorizar a remoção dos corpos para vagas mais profundas ou mesmo comuns. Em outros países, esse tipo de mudança é interpretada como desrespeito a preceitos religiosos.
Já a cremação, inicialmente considerada a solução espacial e ambiental, tem apresentado problemas. Primeiro porque as urnas acabam sendo guardadas em cemitérios –embora, é verdade, ocupem bem menos espaço. Segundo porque o processo consome muita energia quando aplicado em larga escala, contribuindo também para as emissões de poluentes. No Reino Unido, onde as cremações correspondem a 70% dos funerais, 15% das emissões de mercúrio provêm da queima de obturações dentárias. Novos processos têm sido pesquisados para amenizar o problema.
Até agora, a opção considerada mais razoável em larga escala são os cemitérios verticais, categoria em que o Brasil se destaca. O mais alto do mundo é o Memorial Necrópole Ecumênica, em Santos, com 14 andares e verbete garantido no livro dos recordes, o Guiness Book. Começou a ser construído em 1983 e hoje conta com 14.000 espaços. Em Modena, na Itália, há o San Cataldo, de arquitetura modernista, que prova ser possível haver beleza em edificações assim. Em Tóquio, está o Kouanji, um templo budista de seis andares. E, perto de Tel Aviv, em Israel, o Yarkon, é um exemplar kosher do gênero, considerado de acordo com as escrituras sagradas do judaísmo. A solução pode não ter o romantismo da floresta sagrada do Capsula Mundi, mas sua praticidade tem feito com que aos poucos se torne uma tendência mundial. Afinal, nas cidades, até a morte tem de ser bem planejada para não atrapalhar o resto.
Cemitério Memorial Necrópole Ecumênica, em Santos: o mais alto do mundo
Cemitério Memorial Necrópole Ecumênica, em Santos: o mais alto do mundo
Por Mariana Barros

Nenhum comentário:

Postar um comentário