TudoSobreTudo

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Nimoy nunca se distanciou de Spock

Ator respeitava tanto seu personagem que não ria quando caracterizado, para não desrespeitá-lo

27/02/2015 | 16h08
Nimoy nunca se distanciou de Spock FREDERIC J. BROWN /AFP





Nimoy em 2013, na estreia do último filme de "Star Trek"Foto: FREDERIC J. BROWN / AFP
Nimoy sempre teve por sua criação um respeito profundo, a ponto de, na época em que gravava a série, se preocupar em não se deixar ser fotografado rindo quando estivesse caracterizado de vulcano para não ferir a dignidade do personagem. Foi ele inclusive que criou muitos dos detalhes do personagem, como a saudação vulcana "Vida longa e próspera", inspirada em uma bênção judaica.
Nos anos que se seguiram ao cancelamento da série, Nimoy voltou a atuar em telefilmes, sem grande repercussão, além de ter emprestado sua voz à versão animada que Star Trek ganhou em 1973.
Nesse período, lançou alguns álbuns e livros de poesia até que, em 1977, surgiu com sua polêmica autobiografia, Eu não sou Spock, que muitos acharam que era uma negação ao personagem que o tornara conhecido no mundo. Ao contrário: no livro, Nimoy mantinha um diálogo direto com seu alter ego vulcano, demonstrando o quanto o personagem o influenciara, embora ele e Spock fossem, obviamente, "pessoas diferentes".
Ele quase voltou a reencontrar sua criação quando, no final dos anos 1970, aventou produzir uma nova série de Star Trek – Fase 2, mas o projeto acabou engavetado. Mas, com o megasucesso de Star Wars, em 1979 a Paramount resolveu levar Star Trek para o cinema como uma superprodução dirigida por Robert Wise. As subsequentes continuações da série no cinema fizeram com que Nimoy se reencontrasse com o sucesso e o levasse a diversificar suas atividades.
Dessa forma, passou para trás das câmeras e dirigiu o terceiro e quarto longas deStar Trek, sendo que Star Trek IV: a Volta Para Casa foi o filme de maior sucesso da série no cinema. Ele também assumiu a direção de outros filmes, comoCoisas Engraçadas do Amor, com Gene Wilder, e Três Solteirões e um Bebê, de 1987, uma das comédias de maior bilheteria da época.
Nos anos 1990, Nimoy continuou a atuar, mas decidiu se dedicar a uma de suas grandes paixões, a fotografia, e envolveu-se totalmente com uma série de ensaios, como The Shekhina Project, um estudo fotográfico do aspecto feminino de Deus, inspirado na Cabala.
Plenamente à vontade com sua ligação indissociável com a figura do estoico Mr. Spock, jamais se negou a reprisar o papel, desde que considerasse o contexto adequado e, com isso, participou como convidado especial em alguns episódios da primeira série originada de Star TrekA Nova Geração. Mais recentemente, em um novo filme da franquia, de 2009, interpretou Spock aos 129 anos, e fez uma espécie de "passagem de bastão" do personagem para o ator Zachary Quinto, que viveu Spock em seus anos de juventude.
Em função de sua boa relação com o diretor e produtor desse novo filme, J.J. Abrams, Nimoy aceitou o convite para fazer um papel-chave na série de TVFringe, embora tenha anunciado que estava se aposentando como ator. Leonard Nimoy foi casado duas vezes, com a atriz Sandra Zober (1954-1987), com quem teve um casal de filhos, e com Susan Bay, desde 1988. Seu filho, Adam Nimoy, hoje é diretor de televisão.
*AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário