TudoSobreTudo

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Maioria dos que estão fora das salas de aula é de pobres

Brasil

Entre os 25% mais ricos, 98,1% dos jovens de 4 a 17 anos estão na escola. Já entre os brasileiros 25% mais pobres, esse porcentual é de 92,6%

Escolas de ensino fundamental do município
Escolas pública de ensino fundamental (JONNE RORIZ/VEJA)
O maior desafio de acesso que o Brasil enfrenta atualmente é o de conseguir incluir os mais desfavorecidos, como a população mais pobre, negros e deficientes físicos. Apesar de avanços nos últimos anos, também persistem diferenças regionais de acesso.
A maioria das crianças e jovens que está fora da escola é das famílias mais pobres do País. No Brasil dos 25% mais ricos, 98,1% dos jovens de 4 a 17 anos estão na escola. Já entre os brasileiros 25% mais pobres, esse porcentual é de 92,6%, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2013 tabulados pelo Movimento Todos Pela Educação para o Estado.
A diferença é de mais de cinco pontos porcentuais. Na Região Sul, entretanto, esse abismo é ainda maior: 98,4% dos mais ricos de 4 a 17 anos estão na escola, enquanto somente 89,7% dos mais pobres têm a mesma oportunidade - uma distância de quase nove pontos porcentuais. Mais de 61% das crianças de 4 e 5 anos fora da escola estão entre os 25% mais pobres. No ensino médio, mais de 50% dos excluídos são mais pobres.
A diferença socioeconômica de atendimento também se reflete quando se compara regiões e populações urbana e rural. "Para ampliar o atendimento do País, é necessário olhar especificamente para essas populações. Precisamos atender as especificidades", diz Ricardo Falzetta, do Todos Pela Educação. "Essa é a luta, não podemos aceitar essas deficiências."
Raça e escolaridade - As dificuldades da universalização passam pelo desafio de manter o aluno na escola. E também nesse indicador as diferenças sociais e raciais aparecem. Estudo de 2013 da pesquisadora Paula Louzano, da USP, mostra que alunos autodeclarados negros têm maior probabilidade de fracasso escolar do que brancos.
Essa probabilidade varia a cada região e de acordo com a escolaridade dos pais. Pode ser, por exemplo, 19% maior, caso esse jovem esteja na Região Sul e os pais tenham apenas o ensino fundamental completo. Mesmo na Região Sudeste, a mais rica do Brasil, a diferença de probabilidade de fracasso dos negros e brancos é de no mínimo 12%.
Só 45,3% dos jovens negros e 49,3% dos jovens pardos estavam no ensino médio na idade certa em 2014, segundo o Anuário Estatístico da Educação Básica (Editora Moderna). Entre os 25% mais pobres, eram somente 44,2% - ante 75% entre os 25% mais ricos. 
(Com Estadão Conteúdo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário