TudoSobreTudo

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Dilma e Aécio se enfrentam na Band, no primeiro debate do 2º turno


O Estado de S. Paulo
Os candidatos à Presidência Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) participaram na noite desta terça-feira, 14, do primeiro debate na TV neste 2º turno em encontro promovido pela TV Bandeirantes.
Com duração de 1h20 e dividido em cinco blocos - quatro de perguntas e respostas e o último para considerações finais - o debate foi marcado pela troca de acusações entre os candidatos.


Minuto a Minuto

  • 00h19
    15/10/2014
    Encerramos a cobertura do primeiro encontro entre candidatos à Presidência. Boa noite!
  • 00h16
    15/10/2014
    Termina o primeiro debate entre os candidatos à Presidência da República que estão no segundo turno. Entre os principais assuntos discutidos estão casos de corrupção, segurança pública, educação e índices de crescimento econômico.
  • 00h10
    15/10/2014
    O candidato à vice-Presidência pelo PSDB, Aloysio Nunes, ficou irritado com a passividade do tucano diante das criticas de Dilma ao fato de o governo de Fernando Henrique Cardoso ter proibido escolas técnicas. "Que historia é essa de que nós proibimos o Pronatec? Que loucura é essa?", reclamou o senador no intervalo antes do último bloco. (Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo)
  • 00h08
    15/10/2014
    A presidente Dilma Rousseff (PT) faz suas considerações: "Acredito que você que está agora para decidir, você deve se perguntar quem tem mais capacidade e experiência para garantir o que conquistamos e avançar nas mudanças. Quem tem compromissos verdadeiros com os trabalhadores. Quem tem apoio político para fazer as reformas que o país exige. Quem tem firmeza para garantir a expansão do Brasil no mercado internacional. Eu, como todos os brasileiros, quero um tempo novo. Acredito que o fundamento deste novo tempo é a educação. Quero uma segurança em que todos participem. Quero um programa de Mais Especialidades". 
  • 00h06
    15/10/2014
    O candidato Aécio Neves (PSDB) tem agora dois minutos para as considerações finais: "Há 9 dias, mais de trinta milhões de brasileiros confiaram na nossa proposta de mudança. De lá pra cá, diversas forças políticas se aliaram a nós. Quero agradecer em nome de duas mulheres. A você, Renata Campos, pela singeleza como apoiou nossa campanha. E a você, Marina Silva. Eu não permitirei que este País seja dividido entre 'nós' e 'eles'. Quero fazer o governo da generosidade. Que respeite os avanços dos governos anteriores".
  • 00h05
    15/10/2014
    Carlos Melo, colunista do Estadão: O debate teve poucos lances realmente programático. Poderíamos dizer que foi muito mais “adjetivo” que substantivo. Termos como “mentiroso(a)”, “leviano(a), confuso(a) tomaram espaço do que poderia ser uma discussão sobre como resolver os problemas do Brasil. Os candidatos preocupam-se, antes, em desconstruir o adversário do que construir sua via própria de superação. O modelo e a mentalidade precisam mudar muito.

  • 00h00
    15/10/2014
    a
    Carlos Melo, colunista do Estadão: O tema “emprego” veio, enfim, ao debate. Como manter o nível atual, como avançar nessa questão? Enfim, o debate saiu do adjetivo para o substantivo.
  • Terça-feira, 14-09-2014
  • 23h57
    14/10/2014
    "O senhor está fabulando, o senhor está inventando uma história que não existe. O Bolsa Família não tem parentesco nenhum com os programas sociais tucanos. 70% dos brasileiros ganham dois salários mínimos e queremos melhorar. Só uma pessoa que não tem sensibilidade acredita que alguém sem emprego é melhor do que com este emprego", replica Dilma (PT). "Também não acredito em quem diz isso, candidata. O seu governo perdeu a capacidade de expirar confiança. Não há emprego e os mais penalizados serão os mais pobres", treplica Aécio (PSDB).
  • 23h54
    14/10/2014
    Dilma Rousseff (PT) questiona o tucano sobre geração de empregos e fala sobre a "lógica do retrocesso". "A senhora volta com o discurso do medo. Realmente, há medo na sociedade. Medo de o PT governar por mais quatro anos. Os empregos estão indo embora porque país que não cresce não gera emprego. É o pior desempenho da indústria nos últimos 50 anos. Eu vou resgatar a credibilidade do País. Vamos fazer crescimento garantindo o avanço nas políticas sociais", defende Aécio (PSDB).
  • 23h52
    14/10/2014
    Aécio (PSDB) replica: "A senhora está enganada. Todas as eleições que disputei em Minas Gerais eu venci, e venci no primeiro turno. O Supremo tomou uma decisão que precisa ser respeitada". "Isso não tem sequer parentesco com a meritocracia. O senhor não pode falara em meritocracia com uima ação dessas", treplica Dilma (PT), que volta a falar sobre creches. "Nenhum governo tucano se esforçou para construir creches. Acho absurdo que o senhor venha me falar sobre isso."
  • 23h50
    14/10/2014
    Aécio Neves (PSDB) faz a primeira pergunta, sobre serviços públicos e meritocracia. "O senhor, recentemente, teve uma condenação no STF que julgou inconstutucinal o senhor ter contratado sem concurso público um conjunto de funcionários, que precisaram ser desligados. O senhor não pode usar pesquisas para contrarirar resultados das urnas. O senhor perdeu no seu Estado porque foi muito mal avaliado. O senhor fez sua vida política em Minas Gerais. Eu saí de Minas, mas não saí a passeio. Fui perseguida pela ditadura militar", responde Dilma Rousseff (PT). 
  • 23h47
    14/10/2014
    Carlos Melo, colunista do Estadão: Leviano(a), mentiroso(a), desinformado(a), confuso(a)… Sob o tema “Educação”, o debate permeado por palavras desse tipo! É irônico e uma contradição em termos. Mas, também revelador do que pode vir pela frente.
  • 23h46
    14/10/2014
    No quarto bloco, os candidatos farão uma pegunta cada um. O tempo para pergunta é de 1 minuto. Resposta tem 2 minutos. No fim, haverá dois minutos para as considerações finais. 
  • 23h44
    14/10/2014
    Os tucanos reclamaram da assessoria de Aécio no fim do primeiro bloco.  Acharam que deviam ter pedido direito de resposta quando Dilma falou em "desvio" ao falar sobre saúde no Estado de Minas Gerais. Tucanos e petistas avaliam que Aécio começou na defensiva. (Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo)
  • 23h43
    14/10/2014
    Os convidadoa de Dilma comemoraram ruidosamente ao final do segundo bloco do debate. Segundo eles, Dilma colocou Aécio "nas cordas" ao responder  aos ataques do tucano sobre corrupção na Petrobrás citando os casos do Aeroporto de Claudio (MG) e casos de nepotismo no governo de Minas Gerais. "Espetacular", comemorou o ministro da Casa Civil, Aloísio Mercadante. (Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo)
  • 23h41
    14/10/2014
    No primeiro turno, o então candidato do Partido Verde, Eduardo Jorge, virou atração à parte nos debates do primeiro turno por observações irônicas e “aulas” de ciência política. E virou “meme” no Twitter pela discussão com o jornalista Marcelo Tas e por dizer que tem medo de Suzane Von Richtofen. Fora da disputa, mas ainda atuante na rede social, durante o primeiro confronto do segundo turno ele não escondeu que queria estar lá. “Queria estar no debate”, twittou. (Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo)
  • 23h40
    14/10/2014
    "A nossa proposta pela educação começa pela construção das 6 mil creches, que ficaram pelo caminho. Temos que avançar no Ensino Fundamental. Estabelecemos a meritocracia, a avaliação por desempenho, algo que a senhora desprezou todos esses anos", replica Aécio (PSDB). "A história das creches está muito mal contada. O senhor não entende disso. Quantas crianças de 4 a 6 sanos estão na escola? 90%. Por isso é possível universalizar. O senhor não sabe que a construção de creches se dá em parceria com os municípios", treplica Dilma (PT).
  • 23h37
    14/10/2014
    O tucano Aécio Neves questiona Dilma Rousseff (PT) sobre investimentos em educação. "Eu acredito que o senhor também não vai querer que eu diga que a responsdabilidade do Ensino Médio é dos Estados. Fizemos o Pronatec para tratar a questão do Ensino Médio como uma questão de formação profissional. Eu considero que é fundamental reformar os currículos. Doze matérias não é algo que possamos considerar adequado para um Ensino Médio", reforça Dilma.
  • 23h34
    14/10/2014
    "Confuso é o senhor, candidato. O senhor gosta muito de evitar ser governador. O senhor tem de responder por isso. Por que é que não se tem noção de quanto foi investido nas redes de emissoras que vocês possuem em Minas Gerais", replica Dilma (PT). "Mais uma vez tenho a impressão de que somos dois candidatos de oposição. O seu partido está há 12 anos no governo. Por que não assumiu essa responsabilidade? Por que não executou o fundo de segurança?", treplica Aécio (PSDB).
  • 23h31
    14/10/2014
    A pergunta de Dilma Rousseff (PT) é sobre segurança pública. "Apesar de muito confusa sua pergunta, vou tentar responder. A senhora está muito enganada. No meu governo, os crimes em Belo Horizonte diminuíram em 37%. Cheque com o ministro Cardozo. Minas foi o Estado que mais investiu em segurança. Mas a coisa vai bem? Não vai. Não vai no Brasil inteiro. O governo federal o que faz? Terceiriza a responsabilidade", defende Aécio (PSDB). 
  • 23h28
    14/10/2014
    Em tréplica, Dilma (PT) afirma: "O povo brasileiro jamais vai acreditar nesse pai do Bolsa Família. Passamos de todos os limites, chegamos à fabulação".
  • 23h27
    14/10/2014
    "Nós não condicionamos nossos programas a outras razões como medidas impopulares ou choque de gestão. Nós não fizemos o Bolsa Família para 5 milhões, fizemos para 50 milhões. O Minha Casa, Minha Vida é o maior programa habitacional da história", finaliza Dilma (PT). "Não entendo a dificuldade que a senhora tem em admitir o mérito dos outros. Se fizermos um raio-x do Bolsa Família, o pai será Fernando Henrique e a mãe, Ruth Cardoso", replica Aécio (PSDB).
  • 23h27
    14/10/2014
    Carlos Melo, colunista do Estadão: Debate é uma guerra de estratégia o tempo todo. Nos intervalos, os marqueteiros as ajustam, após avaliação do que se passou no bloco anterior. Assim, depois de um bloco tenso, com acusações mútuas e ataques os mais contundentes, Dilma devolve a agressão e chama Aécio de leviano, duas vezes. Por fim, recorre à “Lei Maria da Penha”. Que tipo de intenção haveria por trás disto?   

  • 23h25
    14/10/2014
    Aécio Neves (PSDB) questiona a candidata Dilma Rousseff (PT) sobre programas sociais, reiterando que não vai acabar com os programas já existentes nem privatizar os bancos públicos. "Eu acredito que transparência virou sinônimo de redução do papel dos bancos públicos. Eu não concordo. E acho que é exatamente isso que o senhor quer fazer, diminuir o papel dos bancos públicos", defende a presidente.
  • 23h23
    14/10/2014
    "As boas administraçõea avançam nas experiências que deram certo, mas estamos muito distantes de fazer com que a proteção à mulher chegue aos locais mais distantes", treplica Aécio (PSDB). 
  • 23h22
    14/10/2014
    Dilma Rousseff (PT) replica: "Não nos apropriamos da Lei Maria da Penha, participamos junto com a sociedade para sua aprovação. Estamos construindo, em todos os Estados, a Casa da Mulher, que vai proteger a mulher que sofre violência. No Bolsa Família as mulheres são beneficiadas".
  • 23h20
    14/10/2014
    "Leviano, no caso que estávamos discutindo anteriormente, foi o senhor", ataca Dilma (PT), e questiona o candidato tucano sobre violência contra a mulher e cita a Lei Maria da Penha. "Ninguém pode se apropriar de uma lei como esta, fruto de uma discussão tão profunda. Temos que avançar no apoio aos municípios, que não têm força para atender este tipo de violência. As políticas públicas, como esta, não precisam ser conduzidas em um carro preto com chapa verde e amarela", responde Aécio Neves (PSDB).
  • 23h18
    14/10/2014
    No terceiro bloco, valem as mesmas regras do bloco anterior. Quem começa perguntando é a candidata Dilma Rousseff (PT).
  • 23h16
    14/10/2014
    No primeiro intervalo do debate, o ministro da Casa Civil Aloizio Mercadante comemorava os dados apresentados por Dilma sobre a dívida de Minas Gerais na saúde. Conhecido pelo apelido de  'Mercadados', Mercadante aplaudiu a chefe. "Ela tem café no bule", definiu ele, que tirou férias no Planalto para se dedicar à campanha. "E está quente?", quis saber uma repórter. "Fervendo", respondeu o ministro (Vera Rosa, O Estado de S. Paulo)
  • 23h13
    14/10/2014
    a
    Carlos Melo, colunista do Estadão: Escândalo na Petrobras… Não iria faltar! Aécio estoca e Dilma contra ataca com casos do tempo de FHC e com os escândalos tucanos — Aeroporto em Cláudio, inclusive. Aécio se esquiva. Um aponta para os defeitos do outro, e ambos se omitem em relação aos seus próprios escândalos.  Dilma diz que Aécio não é ético e Aécio chama Dilma de “leviana”. Os ataques partem para o campo pessoal. O nível do debate descamba para uma espécie de bate-boca, com apupos da platéia.
  • 23h12
    14/10/2014
    "Eu queria que o senhor me dissesse por que hoje o nepotismo é proibido", finaliza Dilma Rousseff (PT), acusando o tucano de empregar membros de sua família. "A senhora está com a obrigação, agora, de dizer onde é que a minha irmã trabalha. É mentira atrás de mentira. Eleve o nível deste debate. Eu não respondo a nenhum processo, candidata. Diferente do governo da senhora, que é um mar de lama", treplica Aécio (PSDB).
  • 23h09
    14/10/2014
    Dilma Rousseff (PT) replica: "O senhor está extremamente enganado com a decisão do Ministério Público, que não aceitou a investigação criminal, mas aceitou a investigação do aeroporto de Cláudio sobre improbidade administrativa. O senhor sabe o que é improbildade administrativa?".
  • 23h08
    14/10/2014
    A pergunta de Dilma Rousseff (PT) é sobre o aeroporto construído em terras da família de Aécio Neves: "Eu não acho isso moral nem ético". "A senhora está sendo leviana, candidata. Eu fiz milhares de obras no meu governo, e todas atestadas pelo Tribunal de Contas. O aeroporto foi construído em uma área desapropriada do meu tio-avô, área que era de interesse social. Esse senhor não foi beneficiado, a sociedade foi", responde o tucano. "O Ministério Público Federal disse que a obra é regular."
  • 23h05
    14/10/2014
    Dilma (PT) replica: "Eu tenho uma vida toda de absoluto combate à corrupção e nenhum envolvimento. Quando este diretor foi demitido, eu não era do conselho da Petrobrás. Aquilo que eu relatei é outra coisa porque não foi investigado nem punido". A petista finaliza citando o aeroporto construído em Claudio (MG), próximo à fazenda de um tio-avô de Aécio Neves.
  • 23h04
    14/10/2014
    "Não queira nos igualar, presidente. O que acontece na Petrobrás é um escândalo jamais visto. Eu quero saber quais foram os relevantes serviços prestados pelo ex-diretor da Petrobrás", replica Aécio Neves (PSDB). 
  • 23h03
    14/10/2014
    Aécio Neves (PSDB) questiona a candidata Dilma Rousseff (PT) sobre corrupção e cita a Petrobrás. "A minha indignação em relação a tudo que acontece, inclusive no caso da Petrobrás, é a mesma de todos os brasileiros. A minha determinação em punir todos os culpados é prioridade. É fundamental que o Brasil não tenha mais impunidade. Duas leis aprovadas durante o meu governo facilitam a investigação desse caso. Uma que dá independência ao delegado e a outra regulamenta a delação premiada", responde Dilma Rousseff. A petista cita casos de corrupção envolvendo o PSDB, em que os envolvidos não foram punidos.
  • 22h59
    14/10/2014
    Em réplica, Dilma Rousseff (PT) fala sobre a previsibilidade de seu governo, em comparação ao do governo do PSDB. "Candidata, pare de olhar pelo retrovisor. Vamos crescer zero neste ano. O seu governo chega ao fim de forma melancólica", treplica Aécio (PSDB).
  • 22h58
    14/10/2014
    "Um orgulho que tenho na vida foi ter levado Minas Gerais a ter a melhor educação pública do sudeste. O Pronatec é um bom programa, mas precisa ser aperfeiçoado. O Pronatec é uma inspiração nas Etecs do governador Geraldo Alckmin e nas Pecs que fiz em Minas. Eu me orgulho muito de ter inspirado seu govenro a fazer um programa como esse", finaliza Aécio Neves (PSDB).
  • 22h58
    14/10/2014
    a
    Carlos Melo, colunista do Estadão: Aécio um tanto irônico; Dilma um tanto irritada. Não são posturas simpáticas ao eleitor. As duas podem ser entendidas como igualmente arrogantes. Desqualificações lado a lado; mas nenhuma estocada fatal e que possa ser definida como um ganho concreto. 
  • 22h56
    14/10/2014
    Carlos Melo, colunista do Estadão: “Mentiras" e “crueldade". Ataques e desqualificação lado a lado.  Mentiras, deturpações e que tais: pedradas daqui e de lá. O debate vai esquentando…
  • 22h56
    14/10/2014
    Dilma Rousseff (PT) questiona Aécio Neves (PSDB) sobre educação e escolas técnicas. "Antes de responder sua pergunta, quero registrar que estou impressionado com sua obssessão com o nosso ministro Armínio Fraga", afirma Aécio Neves (PSDB).
  • 22h54
    14/10/2014
    "Como o senhor quer que eu acredite que, com a mesma receita, e com o mesmo cozinheiro, vocês vão entregar o País diferente?", treplica Dilma Rousseff (PT) se referindo à indicação de Armínio Fraga como ministro da Fazenda de um eventual governo tucano.
  • 22h53
    14/10/2014
    Diante de uma grave crise, mantivemos emprego, mantivemos salário e continuamos crescendo", finaliza a petista. "Acho que, muitas vezes, a senhora olha para mim e vê o presidente Fernando Henrique. E eu me sinto muito honrado. Vamos falar do presente a vamos olhar para o futuro. A senhora disse no último debate que a inflação está sob controle e não está. É preciso ter humildade de assumir que vocês fracassaram", replica Aécio Neves (PSDB).
  • 22h52
    14/10/2014
    "Eu proponho que a gente pare de discutir quem está mentindo. Peço que quem nos assiste entre no site do Tribunal de Contas de Minas Gerais e nos jornais e veja quem está falando a verdade. O candidato tem memória curta. Temos uma inflação controlada dentro dos limites da meta. Eu acredito que o senhor esqueceu o que ocorria no governo FHC. O senhor indica um ministro da Fazenda que, por duas vezes, deixou a inflação ultrapassar o limite da meta", defende Dilma Rousseff (PT).
  • 22h49
    14/10/2014
    Por sorteio, a primeira pergunta do bloco é do candidato Aécio Neves (PSDB). O tempo para cada questão é de 1 minuto. A resposta tem 2 minutos e réplica e tréplica, 1 minuto cada. O tucano questiona Dilma Rousseff (PT) sobre inflação.
  • 22h45
    14/10/2014
    No segundo bloco do debate, são quatro perguntas ao todo. Cada candidato questionará duas vezes o seu oponente.
  • 22h42
    14/10/2014
    Dilma Rousseff (PT) treplica: "Vocês, quando o seu candidato a ministro da Fazenda entrou no governo, estavam com uma dívida em torno de 28%. E ele saiu com uma dívida em torno de 60%. O Estado de Minas Gerais tem recorde de dívidas. É o Estado governado pelo senhor".
  • 22h41
    14/10/2014
    "A senhora falta copm a verdade, candidata", replica Aécio Neves (PSDB). "O maior projeto social da história do Brasil não foi o Bolsa Família, foi o Plano Real, que trouxe estabilidade econômica para o País."
  • 22h40
    14/10/2014
    "O BNDES empresta para a indústria e para a infraestrutura. Quem faz a maior parte do crédito tanto para o agronegócio quanto para infraestrutura é o Banco do Brasil. Vocês têm dois pesos e duas medidas. Nunca fizeram projetos sociais quando puderam."
  • 22h38
    14/10/2014
    Agora Aécio Neves (PSDB) direciona a pergunta a Dilma Rousseff (PT), que acusa a petista de mentir durante a campanha sobre os seus oponentes. "Eu acho que quem faz ataques cruéis é o senhor. Acho que o senhor distorce todos os dados e a realidade. Vocês dizem que são pais do Bolsa Família quando fizeram um programa que não abrange o País, não tem escala", se defende a presidente.
  • 22h37
    14/10/2014
    Carlos Melo, colunista do Estadão: "Dois projetos e duas visões de Brasil”, Dilma realça as realizações dos governos do PT e promete um novo ciclo, que ênfase na educação e segurança pública. Aécio reconhece avanços no governo FHC e no governo Lula; mas critica os últimos 4 anos de Dilma, a divisão do país e o aparelhamento político: “isso que aí está". Sutilmente, cada candidato deu sua estocada.
  • 22h36
    14/10/2014
    "Não falar a verdade se tornou uma tônica da sua campanha desde o primeiro turno", treplica o tucano Aécio Neves. 
  • 22h36
    14/10/2014
    Dilma Rousseff (PT) replica: "Em Minas Gerais, vocês não cumprem os principais programas que existem. Vocês têm o terceiro pior desempenho no SAMU. Como é que eu posso acreditar que o senhor vai fazer o Mais Especialidades?".
  • 22h35
    14/10/2014
    "Os projetos bons vão continuar. O Bolsa Família vai continuar", reitera Aécio Neves (PSDB). "Quem vê sua campanha acha que a senhora não governou o País durante esses anos. A impressão que temos aqui é que há duas propostas de oposição."
  • 22h34
    14/10/2014
    A primeira pergunta é da candidata Dilma Rousseff (PT), sobre a CPMF, pela qual o PSDB votou contra, e sobre propostas em saúde. "Sinto muito a senhora estar desinformada. Todos os meus investimentos são aprovados pelo Tribunal de Contas. Minas Gerais é o Estado que mais tem qualidade em saúde na região sudeste. Quando o governo do PT assumiu, 57% dos investimentos em saúde vinham do governo federal. Hoje, são 46%."
  • 22h30
    14/10/2014
    O candidato Aécio Neves (PSDB) declara: "Os brasileiros terão a oportunidade de dizerem o que querem para seu futuro. A grande realidade é que o Brasil tem avançado muito nas últimas décadas. Avanços sociais vieram a partir da estabilidade econômica conseguida pelo governo do PSDB. Venho neste debate representar um sentimento crescente na sociedade brasileira que quer ver um governo que olhe para o futuro, que não caia nesta armadilha de 'nós' e 'eles'. Eu me preparei ao longo destes 30 anos não para fazer um governo de partido político, mas para fazer um governo que tire o Brasil da lanterna do crescimento econômico".
  • 22h28
    14/10/2014
    "Nesta eleição, eu acredito que dois projetos de nação estarão se apresentando. Nós fizemos o mais profundo projeto de distribuição de renda da história. Levamos 42 milhões de pessoas à classe média. Uma Argentina inteira. Todos ganharam, mas ganharam mais os que mais precisavam. Lançamos as bases para um novo ciclo de desenvolvimento. Haverá uma prioridade para a educação. Da creche à pós-graduação, continuaremos dando a principal atenção à educação." 
  • 22h26
    14/10/2014
    Quem começa a fazer suas considerações é a candidata Dilma Rousseff (PT), por ordem de sorteio. 
  • 22h24
    14/10/2014
    No início do primeiro bloco, os candidatos têm dois minutos para suas considerações iniciais. Nos blocos seguintes, cada candidato pode fazer duas perguntas para seu oponente, com dois minutos para a resposta. O quarto bloco é destinado às considerações finais. O debate é mediado pelo jornalista Ricardo Boechat.
  • 22h22
    14/10/2014
    Carlos Melo, colunista do Estadão: Cada debate tem sua história. Mas, nesta altura da disputa, é natural que os nervos, mais que no 1.º turno, fiquem à flor da pele. As pesquisas indicam empate técnico, com Aécio Neves numericamente na frente. Trackings não oficiais e boatos de toda sorte dizem que a diferença teria até aumentado em favor do tucano. Isto tem se refletido na tensão e no tiroteio dos programas de TV. No horário eleitoral,  Dilma Rousseff tem elevado o tom da campanha negativa contra o tucano. A tendência é que essa postura se transfira para o confronto de hoje, com Dilma mais assertiva e Aécio aproveitando os flancos mais vulneráveis do governo. Vamos acompanhar.
  • 22h19
    14/10/2014
    Durante o debate, o cientista político e colunista do 'Estado' Carlos Melo comenta as propostas e o desempenho dos candidatos.
  • 22h16
    14/10/2014
    Em instantes, começa o primeiro debate entre candidatos à Presidência no segundo turno.
  • 22h10
    14/10/2014
    O PSB pernambucano enviou dois representantes para prestigiar o tucano Aécio Neves no debate desta terça-feira. Além do governador João Lyra, que havia acompanhado Marina Silva em algumas ocasiões no primeiro turno, o prefeito do Recife, Geraldo Julio, integrou a comitiva. No debate de quinta-feira, no SBT, será a vez do governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara, marcar presença. (Isadora Peron, O Estado de S. Paulo)
  • 22h06
    14/10/2014
    Um homem de terno escuro e adesivo do PSDB provocou petistas na chegada de Dilma Rousseff (PT) à Band. Ele disse que a presidente "não vale nada" e hostilizou o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante (PT). Participou, também, de um grupo que chamou a presidente de "vaca" na entrada do estúdio. Questionado pela imprensa, não quis se identificar e ameaçou repórteres que tentaram fotografá-lo. Segundo tucanos, o nome dele é Flavio, integrante da campanha de Coronel Telhada à Assembleia Legislativa. (Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo)
  • 21h48
    14/10/2014
    O ex-coordenador da campanha de Marina Silva (PSB), Walter Feldman, começou a rir quando um repórter se referiu a ele como o provável ministro da Casa Civil caso a sua candidata chegasse ao Palácio do Planalto. "Imagina", desconversou ele, que chegou a ser cotado para o cargo quando Marina estava em alta nas pesquisas. (Isadora Peron, O Estado de S. Paulo)
  • 21h19
    14/10/2014
    O presidente do PT, Rui Falcão, declarou na entrada do debate que o objetivo dos requerimentos de acesso ao depoimento de Paulo Riberto Costa é identificar suposto envolvimento de adversários nos desvios da Petrobrás. "Imagino que os tres partidos citados (PT, PP e PMDB) não são os únicos", disse. (Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo)
  • 21h10
    14/10/2014
    "Por enquanto sou apenas um eleitor do Aécio. Não vou ser ministro de nada", disse o ex-candidato a vice-presidente na chapa de Marina Silva (PSB), Beto Albuquerque, que está apoiando o presidenciável Aécio Neves, ao chegar no debate da Band. Sem cargo eletivo no ano que vem, Beto é apontado como o possível titular de pasta na Esplanada. (Debora Bergamasco, O Estado de S. Paulo)
  • 21h02
    14/10/2014
    O cantor, compositor e escritor Chico Buarque declarou que gravará vídeo de apoio à candidatura de Dilma Rousseff (PT). 
  • 20h56
    14/10/2014
    O candidato à Presidêncai pelo PSDB Aécio Neves declarou hoje que "não tem ciência" dos números sobre investimento publicitário do governo de Minas Gerais em rádios e jornais controlados pela sua família.
  • 20h46
    14/10/2014
    "O Lula não está ausente. Vivo falando com ele ao telefone. Pelo contrário, o presidente Lula fez uma grande plenária muito boa, está fazendo uma série de atividades e vamos fazer várias atividades juntos, podem ficar tranquilos", declarou hoje a candidata Dilma Rousseff por uma possível ausência do ex-presidente em sua campanha.
  • 20h36
    14/10/2014
    A página oficial do site da presidente Dilma Rousseff (PT) no Facebook, administrada pelo partido, comparou hoje a juventude de Aécio Neves (PSDB), que tinha cargo na Câmara dos 17 aos 21 anos, com a da petista, perseguida pelo regime militar na mesma idade.
  • 20h28
    14/10/2014
    O candidato Aécio Neves (PSDB) declarou hoje que colocará no seu site oficial um "mentirômetro" para rebater o que considera inverídico na campanha de sua adversária, a candidata Dilma Rousseff (PT). "Esta é a campanha com o maior número de mentiras, é um vale tudo, parece que eles não podem deixar o poder", afirmou o tucano.
  • 20h13
    14/10/2014
    No primeiro turno, por causa do tempo limitado oferecido a cada candidato e a presença de outros concorrentes, o embate direto entre Dilma e Aécio foi centrado quanse explusivamente na Petrobrás. Enquanto o tucano citava a investigação sobre desvios de recursos da estatal para atacar a adversária, a petista rebatia com acusações sobre sua tentativa de privatização.
  • 20h10
    14/10/2014
    Serão quatro encontros entre os candidatos até o dia 26, quando acontece o segundo turno.
  • 20h00
    14/10/2014
    O debate terá 1h20 de duração, com quatro blocos de perguntas e respostas e um para as considerações finais. Haverá o direito de resposta, quando solicitado por algum candidato, e será concedido se a eventual ofensa tiver ocorrido na última fala de cada bloco.
  • 20h00
    14/10/2014
    Boa noite! Iniciamos a cobertura dos preparativos para o primeiro debate entre os candidatos à Presidência no sengundo turno.


Nenhum comentário:

Postar um comentário