TudoSobreTudo

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Emenda que daria anistia a crimes de caixa 2 segue sem autoria assumida


Nenhum deputado admite saber quem colocou o projeto na pauta de votações da Câmara. O risco do projeto voltar a plenário é grande.

Emenda que daria anistia a crimes de caixa 2 segue sem autoria assumida
Nenhum deputado admite saber quem colocou o projeto na pauta de votações da Câmara. O risco do projeto voltar a plenário é grande.


Mistério em Brasília. Quem foi o autor da emenda que pretendia conceder anistia aos políticos que se beneficiaram de dinheiro de caixa 2 nas eleições passadas? Quem se movimentou pra colocar isso na pauta de votações da Câmara? Nenhum deputado admite saber. Mas o risco do projeto voltar a plenário é grande.
O projeto que teria a emenda para anistiar quem praticou caixa 2, pelo regimento, ainda pode voltar à pauta da Câmara. Mas o que mais se ouviu no Congresso nesta terça-feira (20) foi que é difícil, agora, alguém levantar esse assunto de novo, porque a repercussão foi muito negativa.
Os deputados repetiram que representantes dos maiores partidos - PSDB, DEM, PP, PR, PT e PMDB - estavam na articulação para aliviar a barra de quem, no passado, recebeu doação eleitoral sem declarar. Parlamentares afirmaram que isso tinha o aval do presidente da Câmara, Rodrigo Maia e disseram que já havia um acerto com o Senado. Rodrigo Maia e Renan Calheiros negaram: "Eu não participei em nenhum momento e não participaria", disse Renan. "Eu não estava na presidência ontem. Havia o pedido de muitos líderes pra pautar este tema, eu apenas disse o seguinte: se os líderes quisessem pautar, essa é uma decisão que cabia aos que estava presidindo a casa. E eu disse que, se fosse para votar o texto que foi apresentado nas dez medidas contra a corrupção, do Ministério Público, que é um texto objetivo e claro, que no meu ponto de vista não havia problema", afirma Rodrigo Maia.
O primeiro-secretário da Câmara, Beto Mansur, que presidiu a sessão de segunda-feira (19), também deu explicações: "Eu desconheço o projeto, eu não sei o que tava dentro desse projeto. Pode ser bom, pode ser ruim pra casa, pode ser bom, pode ser ruim pro Brasil, eu desconheço o projeto! A minha função era colocar pra votar".
O assunto repercutiu na sessão da comissão especial da Câmara, que analisa as dez propostas contra a corrupção sugeridas pelo Ministério Público e que teve a assinatura de mais de dois milhões de brasileiros. O relator da comissão, deputado Onyx Lorenzoni (DEM/RS), afirmou que não há mais espaço para se falar em anistiar quem já fez caixa 2: "No dia 10 de outubro, nós teremos uma sessão da comissão especificamente pra discutir a criminalização do caixa 2, dentro da proposta feita pelo Ministério Público Federal e nós não vamos sair desse trilho, não. Isso não tem como voltar. Ninguém vai aceitar. Esse assunto vai ser resolvido com as dez medidas de combate à corrupção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário