TudoSobreTudo

sábado, 25 de julho de 2015

Repensando as raízes do vício



Há um debate antigo sobre o alcoolismo: é problema na cabeça do sofredor – algo que pode superar a terapia da força de vontade, espiritualidade e diálogo, talvez – ou é uma doença física, que precisa de tratamento médico contínuo da mesma forma que exigem diabetes ou epilepsia? Cada vez mais o estabelecimento médico está se sobrepondo ao último diagnóstico. Nas evidências mais recentes, dez faculdades de medicina nos Estados Unidos apresentaram os primeiros programas de residência credenciados sobre a medicina do vício, nos quais médicos que concluíram a faculdade de medicina e a residência primária poderão passar um ano estudando a relação entre o vício e a química do cérebro.
“Este é o primeiro passo rumo ao reconhecimento, respeito e rigor à medicina do vício”, disse David Withers, que supervisiona o novo programa de residência no Centro de Tratamento de Dependência de Álcool e Entorpecentes Marworth, em Waverly, Pensilvânia.
O objetivo dos programas de residência, que começaram no dia 1º de julho com 20 alunos de várias faculdades, é estabelecer a medicina do vício como padrão especialmente com as linhas de pediatria, oncologia e dermatologia.
Os residentes tratarão os pacientes com uma série de vícios: álcool, drogas, remédios controlados, nicotina e muito mais – e o estudo da química do cérebro envolvida e o papel da hereditariedade.
“Antigamente, a especialidade estava muito mais voltada para os psiquiatras”, disse Nora D. Volkow, neurocientista encarregada do Instituto Nacional de Abuso de Drogas. “É uma falha do nosso programa de treinamento”.
Ela considera a falta de educação sobre o abuso de substâncias entre os médicos em geral “um problema muito sério”.
As faculdades que oferecem a residência de um ano são: St. Luke’s-Roosevelt Hospital em Nova York, Sistema Médico da Universidade de Maryland, Faculdade de Medicina da Universidade de Búfalo, Faculdade de Medicina da Universidade de Cincinnati, Faculdade de Medicina da Universidade de Minnesota, Faculdade de Medicina da Universidade da Flórida, Faculdade de Medicina John A. Burns da Universidade do Havaí, Faculdade de Medicina e Saúde Pública da Universidade de Wisconsin, Marworth e o Centro Médico da Universidade de Boston. Algumas, como a Marworth, oferecem programas de medicina do vício há anos, simplesmente sem credenciamento.
O novo credenciamento é cortesia do Conselho Americano de Medicina do Vício, ou ABAM, fundado em 2007 para promover o tratamento médico do problema. O grupo tem o objetivo de obter o credenciamento do Conselho de Credenciamento do Ensino Médico Graduado, passo que requer, entre outras coisas, o estabelecimento do programa em no mínimo 20 faculdades. Mas isso significaria que a especialidade em vícios iria se qualificar como residência 'primária’, que qualquer médico recém-formado poderia adquirir fora da faculdade.
Richard Blondell, presidente do comitê de treinamento do ABAM, disse que o grupo espera credenciar mais dez a 15 faculdades neste ano.

A reconsideração do vício como patologia em vez de uma doença estritamente psicológica começou há cerca de 15 anos, quando pesquisadores descobriram via exames de alta ressonância que o vício das drogas resultou em alterações físicas do cérebro.
Munidos dessa informação, “o tratamento dos pacientes com vício torna-se bem mais parecido com o tratamento de outras doenças crônicas, como asma, hipertensão ou diabetes”, disse Dr. Daniel Alford, que supervisiona o programa no Centro Médico da Universidade de Boston. “É difícil curar necessariamente as pessoas, mas certamente você pode controlar o problema ao ponto de elas poderem viver bem com uma combinação de remédios e terapia”.
A essência do entendimento do vício como doença física é a crença de que o tratamento deve ser contínuo para evitar a recaída. Assim como ninguém espera que um paciente seja curado após seis semanas de dieta e administração de insulina, disse Alford, não faz sentido esperar que a maioria dos viciados em drogas seja curada depois de 28 dias em uma clínica de desintoxicação.
“Não é surpresa para nós agora que quando você interrompe o tratamento, as pessoas têm recaída”, disse ele. “Isso não significa que o tratamento não funciona, apenas significa que é preciso continuar o tratamento”. Essas alterações físicas no cérebro também poderiam explicar por que alguns fumantes ainda desejam o cigarro depois de 30 anos sem fumar, disse Alford.
Se a ideia do vício como doença crônica demorou em entrar no círculo da medicina, deve ser porque os médicos às vezes relutem em entender o funcionamento do cérebro, disse Volkow. “Embora seja muito simples entender uma doença do coração (o coração é muito simples, é apenas um músculo), é muito mais complexo entender o cérebro”, disse ela.
O aumento do interesse na medicina do vício é uma série de novos medicamentos promissores, mais notavelmente a buprenorfina (vendida sob nomes como Suboxone), que provou amenizar os sintomas da abstinência em viciados em heroína e subsequentemente bloquear o desejo do consumo, embora cause efeitos colaterais. Outros medicamentos para o tratamento da dependência do ópio e do álcool também se mostraram promissores.
Poucos especialistas em medicina do vício defendem um caminho para recuperação que dependa exclusivamente de remédios, porém. “Quanto mais aprendemos sobre o tratamento do vício, mais percebemos que uma regra não vale para todos”, disse Petros Levounis, encarregado da residência no Instituto do Vício de Nova York no St. Luke’s-Roosevelt Hospital.

Igualmente maligna é a ideia de que a psiquiatria ou o programa de 12 passos sejam adequados para curar uma doença com raízes físicas no cérebro. Muitas pessoas que abusam de substâncias não têm problemas psiquiátricos, observou Alford, que acrescenta: “Acho que há absolutamente uma função para os psiquiatras do vício”.
Embora cada faculdade tenha desenvolvido sua própria grade curricular, as competências básicas que cada uma procura transmitir são as mesmas. Os residentes aprenderão a reconhecer e diagnosticar abuso de substâncias em pacientes, conduzir breves intervenções que apresentam as opções de tratamento e prescrever os medicamentos adequados. Espera-se também que os médicos entendam as implicações legais e práticas do abuso de substâncias.
Christine Pace, de 31 anos, formada pela Faculdade de Medicina de Harvard, é a primeira residente da medicina do vício no Centro Médico da Universidade de Boston. Ela se interessou pelo assunto na adolescência, quando trabalhou como voluntária em uma organização de tratamento da Aids e ouvia viciados em heroína reclamarem dos médicos que não podiam ou não queriam ajudá-los.
Neste ano, quando se tornou médica interna de uma clínica de metadona em Boston, ela ficou consternada ao descobrir que as reclamações não mudaram.
“Vi médicos repetidas vezes deixando isso de lado, apenas chamando um assistente social para lidar com pacientes que lutam contra o vício”, disse Pace.
Um de seus pacientes é Derek Anderson, 53 anos, que credita ao Suboxone – e também a um clínico geral que reconheceu há seis anos seus sinais de vício – a ajuda a largar seu vício em heroína que tem há 35 anos.
“Eu costumava ir a clínicas de desintoxicação repetidas vezes”, disse ele.
Mas o Suboxone “faz com que eu não tenha a dependência diária, que te consome e te engole como um peixe na água. Agora eu consigo trabalhar, cuidar da minha filha, pagar meu aluguel, tudo que eu não conseguia fazer quando usava a droga”.
The New York Times News Service/Syndicate - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times._NYT_
 MSN 

Nenhum comentário:

Postar um comentário