TudoSobreTudo

terça-feira, 14 de abril de 2015

Patch Adams despedida (Soneto XVII- Pablo Neruda)



Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, 
amo-te directamente sem problemas nem orgulho: 
amo-te assim porque não sei amar de outra maneira, 

a não ser deste modo em que nem eu sou nem tu és, 
tão perto que a tua mão no meu peito é minha, 
tão perto que os teus olhos se fecham com meu sono. 

Pablo Neruda

Nenhum comentário:

Postar um comentário