TudoSobreTudo

segunda-feira, 30 de março de 2015

LYA LUFT e a democracia roída pela corrupção: que Deus nos ajude!


(Foto: imgbuddy.com)
Só rezando: precisamos de uma liderança competente para nos tirar do fundo do poço (Foto: imgbuddy.com)
QUE DEUS NOS AJUDE
Artigo publicado em edição impressa de VEJA
Lya LuftRecentemente celebramos o Dia Internacional da Mulher. Contrariando muitos, talvez mais sofisticados do que eu, gosto de algumas dessas datas “oficiais”. Não acho que basta dizer que “todo dia é dia da mãe, do pai, da mulher, do professor”. Um momento especial traz à tona sentimentos que talvez a banalidade e lutas do dia a dia estejam abafando.
Não considero caretice lembrar certas datas ou pessoas de um jeito diferente, com um abraço mais afetuoso, uma flor, uma lembrança, um almoço que reúne gente querida. Pois o cotidiano apresenta o perigo da banalização: nem nos damos conta da importância daquela pessoa em nossa vida. Mas, se for caretice, que bom às vezes ser careta. E cuidado com o preconceito contra os caretas… Já temos juízes e árbitros demais, moralistas demais, arrogantes demais, cercando todos os setores da nossa vida pública e pessoal.
Volto ao assunto da mulher. Na véspera deste dia 8 de março, duas coisas me deixaram envergonhada de ser mulher brasileira. Uma foi a invasão do exército de mulheres campesinas de rosto tapado e foices e paus nas mãos, destruindo – pasmem! – mudas de eucalipto, fruto de décadas de pesquisas, estudos e esforços de cientistas, que estavam colocando o Brasil – ao menos nisso, pois andamos na rabeira em quase tudo – à frente no mundo científico. Eram mudas de eucalipto destinadas a reflorestamento e produção de papel, para evitar desmatamentos.
Cientistas experientes choraram junto com funcionários calejados: o desconsolo foi geral, como em outras ocasiões semelhantes, inclusive uma invasão e destruição no laboratório de biotecnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde foram aniquilados, ante os olhos estarrecidos do mundo, resultados de pesquisas preciosas para o progresso do país e menos miséria.
Essas hordas preferem que se desmate a Floresta Amazônica e a Mata Atlântica para produzir papel? Isso prova como as massas são manipuláveis, caindo na indigência mental que não deixa enxergar a realidade. Se isso faz parte dos exércitos que o ex-presidente Lula andou convocando, que Deus nos ajude.
Outro fato que me preocupou nesses dias foi, mais uma vez, a tentativa de uma figura do governo de banir Monteiro Lobato, o grande e maravilhoso escritor, das escolas (e possivelmente da literatura brasileira). A primeira coisa que me veio à mente foi queimarem na Alemanha hitlerista obras dos mais renomados autores, como parte de purificação “racial”.
Essa tentativa de criminalizar Monteiro Lobato é uma calamidade, um desrespeito à cultura brasileira, uma ignorância dos períodos históricos em que cada obra se situa, um perigoso ataque à liberdade, uma desconsideração com os próprios negros e um inadmissível estímulo a mais preconceito.
Enfatizo que tenho pessoas negras na minha família, como árabes e judias, e que nem me orgulho disso nem me preocupo: para mim, para nós, é apenas natural. É crime instigar o ódio “racial” e de classes, que vemos em afirmações ignorantes como “os brancos de olhos azuis não querem que vocês tenham nada”, ou “as elites odeiam os pobres”. Ignorar a superação das diferenças, desrespeitar a cultura, e a arte, regalar-se no rancor e no preconceito, isso tudo é tão sério como ignorar a realidade atual que envolve corrupção, omissão, mentiras e nossos direitos ameaçados.
A chamada “lista de Janot” revelou dados espantosos sobre o desvio de bilhões que deveriam favorecer o povo tão necessitado. Só investigação e punição rigorosas podem limpar a honra do país e dos brasileiros.
As forças políticas que imperam por aqui permitem muitas dúvidas e receios quanto a isso, mas nem a mais irreal divagação nem a mais doce retórica podem ocultar os riscos que corre a nossa democracia roída pela corrupção. Precisamos de uma liderança firme e competente para que, vencida a dramática situação atual, a gente deixe o fundo do poço e recupere a dignidade que nos roubaram.
E mais uma vez eu digo: que Deus nos ajude!

Nenhum comentário:

Postar um comentário