TudoSobreTudo

quinta-feira, 12 de março de 2015

Gabrielli: Era 'impossível' detectar desvios na Petrobras


Ex-presidente da estatal afirmou à CPI que grande volume de recursos movimentados impedia detecção. 'Isso é caso de polícia', afirmou

Por: Gabriel Castro, de Brasília - Atualizado em 

Ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli depõe na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga denúncias de irregularidades na estatal
Ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli depõe na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga denúncias de irregularidades na estatal(Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados/Divulgação)
Em depoimento à CPI da Petrobras, o ex-presidente da estatal José Sérgio Gabrielli afirmou nesta quinta-feira que não era possível detectar o esquema de corrupção desvendado pela Operação Lava Jato. Ele justificou que isso era "impossível" pelo grande volume de recursos movimentados em contratos da estatal e pela forma de ação dos responsáveis diretos pelos desvios.
"É impossível identificar esse tipo de comportamento internamente. Isso é um caso de polícia", afirmou aos parlamentares. Ele argumentou que, apesar dos desvios, os contratos onde havia pagamento de propina tinham valores dentro dos parâmetros da estatal.
Gabrielli é o segundo depoente convocado pela CPI para falar sobre o petrolão. O primeiro foi o ex-gerente de Serviços Pedro Barusco, que falou aos parlamentares na terça-feira. Além deles, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi ouvido nesta quinta-feira porque se voluntariou a comparecer.
Quando o relator Luiz Sérgio (PT-RJ) perguntou sobre as indicações políticas para diretorias da Petrobras, Gabrielli foi evasivo: disse apenas que o governo tem seus "próprios critérios". O depoimento de Gabrielli, que presidiu a Petrobras entre 2005 e 2012, começou por volta das 14h30 e segue em andamento.
O líder do PSDB na Câmara, foi o mais incisivo contra Gabrielli: "A fala de vossa senhoria demonstra ou conivência ou uma incompetência brutal", afirmou. A frase provocou bate-boca porque os deputados Maria do Rosário (PT-RS) e Valmir Prascidelli (PT-SP) tentaram interromper o tucano. Sampaio continuou: "É de uma cara de pau inaceitável. Veio aqui dizer inverdades, que fique muito claro. Ele prestou o depoimento aqui com compromisso de dizer a verdade e esse cara de pau está mentindo".
Abreu e Lima - Gabrielli também afirmou que a elevação no preço da refinaria pernambucana de Abreu e Lima, tratada como superfaturamento de mais de 600 milhões de reais pelo Tribunal de Contas da União (TCU), é efeito de três fatores: a alta do dólar, uma revisão no projeto inicial e a falta de infraestrutura adequada na região da refinaria.
O relator Luiz Sérgio (PT-RJ) evitou perguntas mais específicas sobre os casos de corrupção. Gabrielli, por sua vez, fez uso de respostas longas, o que irritou a oposição. "Estamos assistindo a uma palestra sobre petróleo", reclamou o deputado Nilson Leitão (PSDB-MT).
Quando os demais parlamentares passaram a fazer perguntas, Gabrielli admitiu que partiu da estatal a indicação de Pedro Barusco para uma diretoria da Sete Brasil, empresa construtora de sondas que tinha 5% de participação acionária da Petrobras. Na Sete, Barusco manteve seu esquema de cobrança de propina em parceria com o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.
Gabrielli já afirmou, em entrevista ao Jornal Nacional, que a indicação não partia da Petrobras. Agora, reconhece: "Foi um equívoco". De acordo com ele, a indicação foi feita pela diretoria da estatal. Ainda assim, o ex-presidente diz que a decisão não passou por ele. "Não é uma indicação pessoal minha".
O ex-presidente da petroleira provocou risos no plenário da CPI ao dizer que a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, que deixou um prejuízo de mais de um bilhão de dólares, foi um bom negócio: "Com certeza. Não tenho dúvida quanto a isso".

Nenhum comentário:

Postar um comentário