TudoSobreTudo

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Dinheiro desviado da Petrobras chegava a Youssef em 24h

Corrupção

Investigação da PF já mostrou que, de outubro de 2010 a dezembro de 2013, pelo menos 37,7 milhões de reais foram desviados da refinaria Abreu e Lima

Crime perfeito: em depoimentos à Polícia Federal e ao Ministério Público, o doleiro Alberto Youssef relatou que as “doações legais” das empreiteiras foram a fórmula criada para esconder a propina
Crime perfeito: em depoimentos à Polícia Federal e ao Ministério Público, o doleiro Alberto Youssef relatou que as “doações legais” das empreiteiras foram a fórmula criada para esconder a propina (BG PRESS/VEJA)
Laudo do Ministério Público Federal indica que valores repassados pela Petrobras para o consórcio CNCC, controlado pela construtora Camargo Corrêa, iam parar em apenas 24 horas na conta do doleiro Alberto Youssef. As informações são do site do jornal O Estado de S. Paulo. O documento, contudo, não imputa crimes às partes envolvidas na transação. A perícia do MP foi feita com base em duas planilhas da Petrobras - considera a estatal vítima da organização criminosa.
Investigação da Polícia Federal já mostrou que, de outubro de 2010 a dezembro de 2013, pelo menos 37,7 milhões de reais desviados da obra da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, foram repassados a empresas do doleiro. O golpe foi aplicado da seguinte maneira: para repassar o dinheiro desviado, o consórcio responsável pela obra, liderado pela empreiteira Camargo Correa, simulou a contratação de serviços da empresa Sanko Sider. Esta, por sua vez, simulou a contração de duas empresas de Alberto Youssef.  Ninguém prestou serviço algum. O dinheiro, na prática, saiu dos cofres da Petrobras para os corruptos que se alimentavam no caixa da estatal.
Essa triangulação, feita para dificultar uma eventual investigação, para dar certo, precisava do aval da Petrobras. As normas da estatal obrigam todos os prestadores de serviço a possuírem uma certificação concedida pela própria empresa – uma forma de garantir que participem dos negócios apenas pessoas jurídicas idôneas. A  polícia descobriu que a Sanko Sider, a intermediária entre a empreiteira e o doleiro, operou durante oito anos com um certificado obtido de forma fraudulenta. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário