TudoSobreTudo

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Fogo cruzado: 'Governo paga bolsa banqueiro', diz Marina; Dilma reage: 'Não tenho banqueiro me sustentando’

Eleições 2014 

Campanhas de Dilma Rousseff e Marina Silva trocam acusações e elevam a temperatura às vésperas da divulgação de nova rodada de pesquisas

Felipe Frazão e Talita Fernandes, de Belo Horizonte
Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB)
FOGO CRUZADO – Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) trocam farpas (Ivan Pacheco e Felipe Cotrim/VEJA.com/VEJA.com)
A presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) e sua adversária do PSB, Marina Silva, trocaram acusações nesta terça-feira e aumentaram a temperatura do embate entre as duas campanhas, que lideram as pesquisas de intenções de voto.

O embate começou com a veiculação de uma inserção do PT segundo a qual um eventual governo de Marina "daria poder ao bancos" em referência à proposta de autonomia do Banco Central – a propaganda sugere que, se Marina for eleita, banqueiros terão poder de decisão sobre a vida dos brasileiros. A candidata do PSB rebateu durante agenda de campamnha em Minas Gerais: "Ela disse que iria baixar os juros, e nunca os banqueiros ganharam tanto. Agora, eles que fizeram a bolsa empresário, a bolsa banqueiro, a bolsa juros altos estão querendo nos acusar de forma injusta em seus programas eleitorais".
O fogo cruzado não parou por aí: em São Paulo, Dilma retomou a ofensiva: “O Banco Central, como qualquer outra instituição, não é eleito por tecnocratas nem por banqueiros. Sua diretoria é indicada por quem tem voto direto. O Congresso chama o Banco Central e manda prestar conta. Eu não digo isso porque sonhei com isso, mas porque está escrito no programa de autonomia do Banco Central e todo mundo sabe o que é autonomia do Banco Central. Então, não adianta falar que eu fiz bolsa banqueiro. Eu não tenho banqueiro me apoiando”, afirmou Dilma.
Marina recebeu 1,6 milhão de reais nos últimos anos com palestras a bancos e empresas. A campanha petista pediu ao Ministério Público Eleitoral que apure eventuais inconsistências entre os rendimentos de Marina e a declaração da candidata entregue à Justiça Eleitoral. Além disso, uma das principais conselheiras da candidata do PSB, Neca Setúbal, é herdeira do Banco Itaú.
Segundo a presidente-candidata, com a proposta de Marina para o Banco Central, as taxas de juros e as políticas de crédito serão definidas sem prestação de contas ao Executivo e ao Legislativo.
Marina classificou a acusação feita pela propaganda do PT de "leviana" e disse que pode mostrar que quem ajudou os bancos foi o PT usando números. "No governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, os bancos tiveram, em valores atualizados, lucro de 31 bilhões de reais. No governo do presidente Lula, 199,46 bilhões de reais", apontou. Ex-senadora pelo PT e ex-ministra do governo Lula, Marina também não poupou o governo de seu antigo aliado. "O próprio presidente Lula é quem disse que não tem nenhum lugar do mundo em que o Santander esteja ganhando mais do que no Brasil. 'Aqui ele ganha mais do que em Nova York, em Londres, Paris, Pequim, Madri, Barcelona." Marina lembrou que a fala de Lula é do último 27 de julho de 2014, quando ele respondeu ao Santander pelo boletim distribuído aos seus clientes de alta renda, que indicava os 'perigos' econômicos que o país enfrentaria caso Dilma seja reeleita para o Planalto.
Marina foi ainda questionada a explicar porque defende a independência formal – determinada por lei – do Banco Central, um dos pontos criticados pelo PT. "Para que o Banco Central esteja em função do povo. E não de um partido e de um grupo político. É para ter autonomia dos grupos que acabaram com a Petrobras", disparou.
Dilma se negou a comentar a projeção da agência de classificação de risco Moody’s, que indicou o rebaixamento da classificação do país ao deixar nota de crédito brasileira em perspectiva de queda, por causa do mau desempenho da economia. Ela disse apenas que o país “tem todas as condições de se desenvolver” e “não é instável macroeconomicamente”.
Questionada sobre o perfil do próximo ministro da Fazenda – a continuidade do atual, Guido Mantega, já foi descartada em um novo mandato – Dilma disse que antecipar seria “desagradável”. “Eu acho que todo o governo novo, ele terá uma equipe nova, um perfil novo. Eu não posso fazer uma comparação entre pessoas e perfis de pessoas, é algo extremamente desagradável. Dizer se ele vai ser economista ou engenheiro..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário