TudoSobreTudo

domingo, 10 de agosto de 2014

Pivô da Lava Jato, doleiro Youssef cogita delação premiada

Justiça

Colaborar com a Justiça poderia reduzir sua pena. Em VEJA desta semana, contadora de Youssef desnuda esquema de corrupção

O doleiro Alberto Youssef
O doleiro Alberto Youssef (Folhapress/VEJA)
Alvo de doze processos e pivô do esquema bilionário de corrupção desbaratado pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, o doleiro Alberto Youssef já emitiu ao Ministério Público sinais de que estaria disposto a fazer um acordo de delação premiada para livrar-se da cadeia. As informações são do jornal Folha de S. Paulo. Youssef utilizou-se do mesmo expediente anos 1990, quando foi protagonista do escândalo Banestado – e conseguiu ficar em liberdade. Entre seus clientes no esquema de desvios da Lava Jato estão as maiores empreiteiras do país, parlamentares notórios e três dos principais partidos políticos. Em VEJA desta semana, Meire Poza, a contadora de Youssef, revela detalhes do esquema de propina. Nas últimas três semanas, a Meire prestou depoimentos à Polícia Federal. Ela está ajudando os agentes a entender o significado e a finalidade de documentos apreendidos com o doleiro e seus comparsas.
Durante três anos, Meire manuseou notas fiscais frias, assinou contratos de serviços inexistentes, montou empresas de fachada, organizou planilhas de pagamento. Ela deu ares de legalidade a um dos esquemas de corrupção mais grandiosos desde o mensalão. Meire sabe quem pagou, quem recebeu, quem é corrupto, quem é corruptor. Conheceu de perto as engrenagens que faziam girar a máquina que eterniza a mais perversa das más práticas da política brasileira. A contadora confirma que parlamentares como o deputado André Vargas (PT-PR) e o senador Fernando Collor (PTB-AL) se aliaram ao doleiro em um esquema de lavagem de dinheiro que tinha prefeituras petistas como uma de suas principais fontes de recursos. Ela também relatou como empreiteiras que mantém contrato com estatais e órgãos públicos repassavam dinheiro para o esquema.
A investigação dos negócios de Youssef levou para a prisão um poderoso ex­diretor da Petrobras, revelou detalhes de transações ilícitas tramadas nos gabinetes da estatal e está desatando um nó que amarra empreiteiras acostumadas a pagar "comissões" por contratos milionários a políticos que recebem para garantir que esses contratos se viabilizem. Youssef era o ponto de contato entre esses interesses. Através de uma rede de empresas que só existiam no papel, ele recolhia dinheiro das empreiteiras e repassava parte dele a partidos, políticos e funcionários públicos.
O doleiro e sua equipe de advogados avaliam que não há defesa técnica possível contra as provas que a PF já levantou contra ele, Paulo Roberto Costa (ex-diretor da Petrobras) e cerca de quinze empreiteiras. Segundo a Folha, os advogados avaliam que só restam a Youssef duas alternativas: tentar tirar do caso o juiz Sérgio Moro, linha-dura, ou remover os processos do Paraná, onde a Lava Jato foi deflagrada. As duas hipóteses, porém, são remotas – o Supremo Tribunal Federal já decidiu que o processo seguirá no Paraná. Logo, a delação serviria para, ao menos, reduzir a pena do doleiro, que pode ultrapassar cem anos de prisão. A dificuldade nesse caso é que a credibilidade do doleiro é considerada zero pela Justiça, uma vez que Youssef não revelou tudo o que sabia no caso do Banestado – e ainda descumpriu a promessa feita aos promotores de que não atuaria mais no mercado de câmbio.

Três políticos no bolso de Youssef

“O André Vargas ajudou o Beto a lavar 2,4 milhões de reais. Como pagamento, ele ganhou uma viagem de jatinho. Eu mesma fiz o pagamento”

Deputado André Vargas (sem partido)

“O Beto fez os depósitos para o ex-presidente Collor a pedido do Pedro Paulo Leoni Ramos (ex-auxiliar do senador e também envolvido com o doleiro). Ele guardava isso como um troféu”

Senador Fernando Collor (PTB)

“O Vacarezza precisava pagar dívidas de campanha. Um assessor dele me procurou em 2011 para apresentar um negócio com fundos de pensão no Tocantins”

Deputado Cândido Vacarezza (PT)

Nenhum comentário:

Postar um comentário