TudoSobreTudo

domingo, 27 de julho de 2014

O Santander e a falsa guerra entre ricos e pobres. Ou: Banco só afirmou o que todos dizem. Ou ainda: Falcão exibe cabeça dos demitidos como um troféu e um desagravo!


Ai, que preguiça!
O Santander enviou a clientes seus com renda superior a R$ 10 mil uma análise que já se tornou carne de vaca na imprensa, nos mercados, nos meios políticos, no Congresso, na rua, na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapé. A síntese do texto é a seguinte: se Dilma voltar a subir nas pesquisas, haverá deterioração dos indicadores econômicos. E o banco sugere a seus clientes que consultem o gerente para que este sugira as melhores opções de investimento. O comunicado é este, publicado pela Folha.
comunicado
Retomo
Sabem o que eu tenho a lamentar aí? Apenas a língua portuguesa. Sugiro ao Santander que recomende ao redator da estrovenga um curso intensivo da “Inculta & Bela”, que, no caso acima, é pura sepultura e nenhum esplendor. É preciso de um pouco de boa vontade para entender o texto. Nem Dilma redigindo uma “composição” de próprio punho seria capaz de barbarizar tanto.
Dito isso, vamos ao que interessa. Os petistas e seus acólitos estão tentando fazer escarcéu, acusando o banco de fazer campanha eleitoral ou sei lá o quê. Como o comunicado chegou aos clientes com renda acima de R$ 10 mil, tenta-se transformar a avaliação numa espécie de conspiração dos ricos. Chamar pessoas com renda de R$ 10 mil de “ricas” é demagogia.
O Santander não falou nada que o mercado não esteja falando. O Santander não falou nada que a imprensa não esteja falando. O Santander não falou nada que os próprios petistas não estejam falando. Aliás, Lula já usou essa questão para fazer proselitismo.
Um banco também é um orientador de investimentos e tem o direito de fazer avaliações a seus clientes, ora essa! Estão tentando fazer tempestade em copo d’água. A pressão sobre o banco foi grande, e a instituição emitiu a seguinte nota:
“O Santander esclarece que adota critérios exclusivamente técnicos em todas as análises econômicas, que ficam restritas à discussão de variáveis que possam afetar os investimentos dos correntistas, sem qualquer viés político ou partidário. O texto veiculado na coluna ‘Você e Seu Dinheiro’, no extrato mensal enviado aos clientes do segmento Select, pode permitir interpretações que não são aderentes a essa diretriz. A instituição pede desculpas aos seus clientes e acrescenta que estão sendo tomadas as providências para assegurar que nenhum comunicado dê margem a interpretações diversas dessa orientação.”
A redação melhorou, apesar do “aderentes a essa diretriz”. O “esclarecimento” só se fez necessário porque se criou uma falsa questão: o banco estaria fazendo campanha eleitoral. É bobagem das grossas. Digam-me: se o Santander tivesse anexado cópia de reportagens da Folha, da VEJA, do Estadão do Globo com essa mesma informação, seria diferente? A deterioração de indicadores econômicos quando aumentam as chances de reeleição de Dilma é só pregação de antipetistas ou é um dado do mundo dos fatos?
Ora… Essa gritaria é só  mais uma pecinha publicitária que busca criar a guerra entre pobres e ricos, colocando, claro!, os bancos como os grandes vilões, a serviço dos endinheirados. É mesmo, é? Tão logo se divulguem os dados sobre doações eleitorais, vamos ver quanto cada um doou para quem.
O presidente do PT, Rui Falcão, deixou claro que o PT pediu algumas cabeças. Leio na Folha: “Já houve um pedido de desculpas formal enviada à Presidência. [...] A informação que deram é que estão demitindo todo o setor que foi responsável pela produção do texto. Inclusive gente de cima. E estão procurando uma maneira resgatar o que fizeram”.
Eis aí. Chegamos ao ponto em que afirmar que dois mais dois são quatro pode render cabeças se isso não for do agrado do partido oficial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário